segunda-feira, 9 de março de 2009

Tondela.


Tondela não tem, na realidade, nada de especial e, ainda assim, tem, para esta Lisboeta, imenso encanto.
Terra perto da serra Caramulo, perto de Viseu, a que se chega com alívio depois da viagem atribulada pelo IP3.

Terra de boa comida, de tempo gelado no Inverno e muito quente no Verão.

Terra onde se pode ir a pé a quase a todo lado, onde se pode sair à noite à vontade e onde se pode voltar para casa, aos tropeções, às quatro da manhã, sem ninguém reparar e nem sequer nos ver.
Terra onde se conhece gente bem disposta, que nos leva pela serra acima, e que, com sabedoria, conduz a direito numa estrada cheia de curvas.

Para quem não conhece é capaz de não ser mais que uma terra qualquer, perdida nas Beiras, mas para mim é a terra da família, dos primos, dos tios e dos avós. Onde sempre se come o pequeno-almoço, o almoço, se lancha e janta, sempre em quantidades similares.
Onde se bebe Quinta de Cabriz ou groselha bem gelada.

Terra de pinhais, de matas e feiras à segunda-feira de manhã.
Terra onde sempre se pode assistir a muitos concertos, teatros e festas. E onde no verão se fica em casa a dormir a sesta.
Lugar de repouso, de sossego.

Tondela

5 comentários:

  1. Até quase ao fim, pensei sei que me ias deixar mal e não falar em coisas boas que se bebem em Tondela.
    As nossas terras de referência são assim, podem não dizer muito ao público em geral, mas são importantes para nós.

    ResponderEliminar
  2. É verdade sim senhora!
    É uma bela terriola :)
    E venham os acontecimentos familiares em que o pessoal se junta todo e se dão umas risadas.
    Agora também já sei o que isso é. E é muito bom!

    ResponderEliminar
  3. E eu podia contar algumas histórias a ver com vinho (e outras bebidas similares!) e Tondela...:)

    ResponderEliminar